quarta-feira, 23 de junho de 2010

S. JOÃO- BLOGAGEM COLECTIVA DO BLOG- ZAMBEZIANA










Ó meu rico S. João
Ó meu santo padroeiro
Não me deixes acabar
O moni o ano inteiro

Ó S. João que és tripeiro
Bom rapaz, nestas andanças
Vê se me arranjas dinheiro
Para pagar ás finanças

P'ra pagar ao merceeiro
E até ao homem do talho
Á farmácia e ao padeiro
E dá-me também trabalho

Trabalho p'ra distribuir
A uns quantos, seita danada
Que estão sem fazer nada
No parlamento a dormir

Dá-me também uns tostões
Para a auto-estrada pagar
Que eles são tão comilões
Que só nos querem roubar

Arranja-me um jumento
Para eu me deslocar
Quero ir ao parlamento
P'rós ministros aviar

Aviá-los mas a preceito
Alisar-lhes os chacis
P'ra ver se pôem direito
O nosso pobre país.

Ó meu santo padroeiro
Para que queres um andor
Se te deram um carneiro
É porque tu és pastor.

Ó S. João do presente
O que te peço é profundo
Cura lá quem está doente
E dá paz a todo o mundo.

Festas Populares

S. João do Porto, eremita natural do Porto, ( séc. IX ), viveu a sua vida eremítica na região de Tuy, em frente a Valença, tendo sido sepultado em Tuy. No séc. XVII ainda aí se conservavam as sua relíquias, de grande veneração entre os fieis, que acreditavam que S. João os salvaria das febres. Diz a tradição , que a cabeça de S. João do Porto, foi trazida pela Rainha Mafalda no séc. XII, para a Igreja de São Salvador da Gandra e que parte dessa relíquia teria sido levada para a capela da " Santa Cabeça ", na Igreja de N ª Sra. Da Consolação, na Cidade do Porto. O facto da sua festa se ter celebrado a 24 de Junho talvez explique o facto de ter o seu culto sido absorvido pelo de S. João Baptista, cujo nascimento ocorreu no mesmo dia 24 de Junho e a que o povo dedicou através dos tempos forte devoção e grandes festas, mantendo-se ainda hoje muito viva a tradição das fogueiras de S. João de origem muito antiga, ao mesmo tempo que substituíam as festas pagãs do solstício.

Festas de forte caris popular, o S. João do Porto é uma festa que nasce espontaneamente, nada se encontra combinado, embora a festa se vá preparando discretamente durante o dia, é normalmente depois do jantar, constituído por sardinhas assadas, batatas cozidas e pimentos ou entrecosto e fêveras de porco na brasa, acompanhadas de óptimas saladas , jantar obviamente regado com vinho verde ou cerveja, mais modernamente. Findo o jantar, os grupos de amigos começam a encontrar-se, organizando rusgas de S. João, como são chamadas. As pessoas muniam-se de alhos pôrros e molhos de cidreira , actualmente as armas, são outras, mudaram para martelos de plástico, duros e ruidosos, mas que acabaram por ser bem aceites e hoje já fazem parte da tradição, Há alguns anos atrás, o S. João limitava-se a uma área da cidade que era constituída, pelas Fontaínhas ( Ponto nevrálgico ), R. Alexandre Herculano, Praça da Batalha, R. Santa Catarina, R. Formosa ou R. Fernandes Tomás, R. de Sá da Bandeira, R. Passos Manuel, Praça da Liberdade, Av. dos Aliados, R. dos Clérigos, Praça de Lisboa, e no retorno, subindo-se a R. de S. António, estava praticamente concluído o percurso obrigatório. A par deste percurso, que juntava para cima de meio milhão de pessoas, que tornavam as ruas pejadas de gente, e onde não há atropelos, as zaragatas são de imediato sustidas pelos populares, os beligerantes rapidamente selam a paz com mais um copo e uma pancada de alho pôrro de amizade. O S. João do Porto é uma festa onde ricos e pobres convivem uma noite de inteira fraternidade e onde a festa é constante. Nos bairros, a festa continua e as comissões organizadoras de cada uma mantém o baile animado até altas horas da madrugada. No tempo áureo do alho pôrro quem chegasse ao Porto vindo de fora, estranharia o odor espalhado pela cidade...efectivamente ela cheirava a alho.



Nos dias de hoje, o S. João espalhou-se pela cidade, além do seu palco tradicional, estendeu-se até a Ribeira, ás Praias da Foz , á Boavista e por ai fora. Vai as discotecas, aos pubs e bons restaurantes. Tornou-se mais cosmopolita e em alguns casos mais selectivo . Modernizou-se, sofisticou-se e de certa forma, acompanhou os tempos ,até penso que se tornou mais jovem.

Mas muita da tradição ainda se mantém: Em barracas ou espalhados pelo chão lá estão os manjericos ( Planta tradicional do S. João ) , as tendas das fogaças, as farturas, o algodão doce, as pipocas, as barracas da sardinha assada e dos comes e bebes. Os matraquilhos, os carroceis, as pistas dos carros. As tendas de venda das louças de barro, das cutelarias, o tiro ao alvo e as tômbolas. Durante toda a noite, centenas de balões são lançados e muito fogo de artificio particular é queimado, pela meia-noite o tradicional fogo de artificio da Câmara Municipal, faz sempre furor pela sua beleza. No fim e já alta madrugada é ver os foliões procurarem as padarias onde o pão acabado de fazer e ainda quentinho vai confortar as barrigas para um merecido descanso.



A História de um Feriado

( Texto original, publicado na Revista Ponto de Encontro de Julho de 2001 )


Os festejos de S. João na cidade do Porto são já seculares e a origem desta tradição cristã remonta mesmo a tempos milenares. Mas foi só no século XX que o 24 de Junho passou a ser feriado municipal na Invicta, proporcionando um merecido dia de folia a milhares de tripeiros. E tudo graças a um decreto republicano e a um referendo aos portuenses, promovido pelo Jornal de Notícias. A história é curiosa e mostra o protagonismo que, já na altura, a Comunicação Social tinha no modus vivendi urbano. Estávamos em Janeiro de 1911 e a República Portuguesa dava os primeiros passos. A monarquia tinha sido destronada apenas três meses antes, com a revolução de 5 de Outubro de 1910. O Governo Provisório da República assumia a governação do país e, desde logo, começava a introduzir mudanças na sociedade portuguesa que espelhavam, muito naturalmente, os ideais da nova ordem republicana. Numa tentativa de implementar a nova ordem junto da população, o Governo Provisório redefiniu os dias feriados em Portugal. Por decreto, a República instituiu como feriados nacionais o 31 de Janeiro (primeira tentativa - falhada - de revolução republicana, em 1891, no Porto), o 5 de Outubro (instauração da República) e o 1º de Dezembro (restauração da independência em 1640), para além do Natal e do Ano Novo. Mas o mesmo decreto impunha, a cada município do país, a escolha de um dia feriado próprio: "As câmaras ou commissões municipaes e entidades que exercem commissões de administração municipal, proporão um dia em cada anno para ser considerado feriado, dentro da area dos respectivos concelhos ou circumscripções, escolhendo-os d'entre os que representem factos tradicionaes e característicos do município ou circumscripção". E foi com este propósito que a Comissão Administrativa do Município do Porto reuniu a 19 de Janeiro de 1911. Segundo o relato do Jornal de Notícias, o "velho e conceituado republicano, sr. Henrique Pereira d'Oliveira" logo sugeriu a data de 24 de Junho para feriado municipal. O facto não causa espanto. Afinal de contas, o S. João era, já na altura, uma festa com longa tradição na cidade do Porto. A primeira alusão aos festejos populares data já do século XIV, pela mão do famoso cronista do reino, Fernão Lopes. Em 1851, os jornais relatavam a presença de cerca de 25 mil pessoas nos festejos sanjoaninos entre os Clérigos e a Rua de Santo António e, em 1910, um concurso hípico integrado nos festejos motivou a presença do infante D. Afonso, tio do rei (a revolução republicana apenas se daria em Outubro).

Referendo popular

Contudo, a sugestão de Henrique d'Oliveira de eleger o S. João como feriado municipal da Invicta foi contestada por outros membros da Comissão Administrativa do Município do Porto, que mostraram opiniões diversas. Foi então que "o sr. dr. Souza Junior lembrou, inspirado n'um alto princípio democrático, que não devia a Commissão deliberar nada sem que o povo do Porto, por qualquer forma, se pronunciasse em tal assumpto". Para solucionar o imbróglio, o Jornal de Notícias dispôs-se a organizar um surpreendente referendo popular para escolher o feriado municipal. Logo no dia 21 de Janeiro, somente dois dias após a reunião da Comissão Administrativa, foi colocado na primeira página do jornal o anúncio da "Consulta ao Povo do Porto", explicando toda a situação e a forma de participação. As pessoas teriam que enviar, até ao dia 2 de Fevereiro, "um bilhete postal ou meia folha de papel dentro de enveloppe" para a redacção do jornal, com a indicação do dia de sua preferência. E, para recompensar o trabalho dos leitores, o Jornal de Notícias oferecia "dez valiosos premios" - o mais valioso era de 10 mil réis, cerca de cem escudos - a serem sorteados de entre todos aqueles que votassem no dia eleito. Nos dias seguintes, o Jornal de Notícias fez o relato diário da emocionante votação. A vitória foi quase só discutida entre o dia de S. João, já com larga tradição na cidade, e o 1º de Maio, Dia do Trabalhador, a que não será alheio o facto de a cidade do Porto ser considerada "a capital do trabalho". No dia 22 de Janeiro já se davam conta dos primeiros resultados: "a votação de hontem, que foi grande, dá maioria ao 1 de Maio, seguido pelo 24 de Junho (S. João) e N. S. Conceição [8 de Dezembro]". No dia 24 - o Jornal de Notícias não foi publicado no dia 23, segunda-feira, porque o matutino encerrava ao domingo! -, deu-se uma reviravolta nos resultados: o 24 de Junho trocava de lugar com o 1º de Maio, ficando na posição de mais votado. Porém, a 25, num dia em que "a votação cresceu imenso", o 1º de Maio quase passava novamente para a liderança da votação. Mas foi no dia 26 de Janeiro que o resultado da votação começou a ficar definido, ao que muito se deve a forte participação popular do dia anterior, como relata o Jornal de Notícias desse dia: "Só hontem vieram tantos votos como em todos os dias anteriores. O dia de S. João tem enorme maioria. O dia 1 de Maio já está muito em baixo". E, a 27, o próprio jornal já dava como certo o vencedor: "Positivamente o dia mais votado é o de S. João. O dia 1 de Maio fica muito para trás. Augmenta bastante o de N. S. Conceição". Durante os dias seguintes foram publicados os resultados provisórios diários, sem que tivesse havido alterações de maior no sentido de voto dos portuenses. Até que, a 4 de Fevereiro de 1911, foram publicados os totais finais da consulta popular: o dia 24 de Junho foi o mais votado, com 6565 votos, seguido pelo 1º de Maio, com 3075 votos, o dia de Nossa Senhora da Conceição, com 1975 votos, e o dia 9 de Julho, com oito. "Ficou, pois, vencedor o dia de S. João que é aquele que o povo do Porto escolhe para ser o de feriado municipal". Só não se sabe se o vencedor do sorteio chegou a receber os seus 100 escudos, pois registada só ficou a promessa de que "o sorteio dos 10 prémios a que esta consulta dá lugar far-se-á em um dos próximos dias"...

Texto originalmente publicado na revista "Porto de Encontro", Julho de 2001.

Deixo aqui um convite para quem nunca visitou o Porto nesta altura. Venha, apareça, seja bem vindo, dia 23 pela tarde pois a festa começa na véspera . O S. João é uma festa sem igual e garanto-lhe uma noite bem divertida e diferente. VIVA O S. JOÃO.

16 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Belo texto e elas imagens. Parabéns.
Bjs

Sonhadora disse...

Minha querida
Um belo poema e um texto muito bem construido.

Beijinhos
Sonhadora

Nilson Barcelli disse...

Mais um magnífico poema.
Desta vez bem popular, como convém ao santo, também ele popular.
Beijos.

Graça Pereira disse...

Minha Querida

Primeiro tive de me rir com as tuas quadras a preceito e tão actuais...poderíamos enviá -las para o Parlamento...é um ideia.!
Depois, todo historial sobre o São João do Porto é de uma riqueza incrível...com pormenores importantes. Quem sabe se não junto tudo o que escrevemos sobre o são João do Porto e não envio para a Edilidade da Cidade? Vou pensar nisso!
Parabens pelo teu exaustivo trabalho de pesquisa que é extrordinário.
Beijocas
Graça

Maria Soledade disse...

Linda,eu escrevi ao Santo,ao nosso Santo Padroeiro mas com tristeza.Já não sinto essa festa Popular da mesma forma que sentia há uns anos atrás.Não porque me pegou o caruncho,nada disso,mas sim porque vejo o Povo do Norte,do meu Norte,a sofrer cada vez mais...

Os meus parabéns pelo poema.Estava para bater sómente na ministrada(à martelada)mas resolvi dar a volta ao texto...

Beijinhos Linda/Até um destes dias

♥*♥( Franciete)♥*♥ disse...

Ó minha rosa branquinha
onde perdestes a cor
entregaste o coração
em troca dum grande amor.

Beijinhos e um lindo fim de semana

Everson Russo disse...

Um beijo carinhoso de bom sabado pra ti amiga.

Vozes de Minha Alma disse...

Oi minha querida Rosa Branca.
Obrigado pela preocupação, estou bem agora, viu?
Principalmente após essa magnífica apresentação sobre a Festa de São João, aí em Portugal.
Venho deixar portanto, meu abraço, minha estima e um beijo.

Maria disse...

Amiga, simplesmente excelente.
Aproveito para desejar um excelente Domingo.
Bjs do tamanho do infinito
Maria

Mona Lisa disse...

Olá

Adorei o teu humor oportuno, neste poema.

Obrigada pela partilha de tão valioso documentário sobre S.João.

Bjs.

Gil Moura disse...

Querida amiga Rosa

Fazes uma descrição perfeita, da origem do S.João do Porto.

Parabéns pelas quadras!

Beijinhos e boa semana

Mário

LOURO disse...

Olá Rosa!
Linda postegem...com um poema de encantar e muito actual.Parabéns!!!
Beijinhos de carinho e amizade,
Lourenço

Brancamar disse...

Adorei ler a tua reportagem com uma pesquisa interessante e exaustiva, que desconhecia, apesar de nascida no Porto e por aqui andar desde sempre.
Das quadras, tão oportunas e actuais só foi pena não ter havido oportunidade para as fazer chegar em menjericos a cada um dos deputados.Adorei.Quem sabe para o ano...a continuarem assim vão precisar de muitas mais, temos que nos ir inspirando.
Parabéns pela tua participação nesta blogagem, foi muito interessante e a Graça também está de parabéns pelo desafio que lançou e que resultou num enriquecimento de conhecimentos para todos nós.
Beijinhos.
Branca

Nilson Barcelli disse...

Voltei, mas poemas novos não há...
Minha amiga Rosa, boa semana.
Beijos.

Laura disse...

Menina, mas que lindos versos, alguém os podia fazer chegar onde serão lidos e pensados...à assembeleia da república, ora pois, eles deviam ler o que andam a fazer deste nosso País...
Muitos jinhos da Laura.

Maria Luisa Adães disse...

Belo trabalho, bem analisado e sentido.

Gostei muito do que escreveu e adorei este encontro, neste lugar seu e talvez um pouco, de
todos nós.

Parabéns,

Maria Luísa