quarta-feira, 9 de junho de 2010

RENASCER

Despiste-me a nostalgia
E vestiste-me a ternura
Fizeste romper o dia
Onde havia noite escura

Pintaste a minha amargura
N'um degradê de emoção
Esculpiste o meu coração
Qual estátua de marfim

Renovaste então em mim
Meus anseios, meus desejos
Cobriste-me até de beijos
E me fizeste sonhar

Me disseste que p'ramar
Pode vir ao amanhecer
Ou então n'um entardecer
Pois não tem data nem hora

E nos meus sonhos d'outrora
Que eu não te ouso dizer
Mesmo que tenha demora
Eu vou esperar a aurora
Para em ti amor renascer.

12 comentários:

direitinho disse...

Poema muito belo, com uma musicalidade constante e crescente
O amor e a esperança renascem com a aurora sem dia nem hora.
É preciso um escultor que trabalhe os nossos sentimentos e os faça desejo e encontro.

Valvesta disse...

E o amor e o amar não tem hora pra chegar
Quando muito se espera, ele não vem
quando vem, nos pega de surpresa, e toma conta do coração, e lá nada mais entra, pois não tem espaço... é só do amor.

Sonhadora disse...

Minha querida
Um belissimo poema.

E nos meus sonhos d'outrora
Que eu não te ouso dizer
Mesmo que tenha demora
Eu vou esperar a aurora
Para em ti amor renascer.

Adorei

Beijinhos
Sonhadora

El ave peregrina disse...

Cando a faciana se viste de cores variados...o corazón esta cheo de aloumiños.

Bela entrada Rosa-Branca.

Unha aperta.

Lídia Borges disse...

Como roseira a despontar,
num jardim que se renova
o amor se faz presente
sem aviso nem demora.

Há que vivê-lo com alegria!

FERNANDINHA & POEMAS disse...

QUERIDA ROSA BRANCA, SUBLIME POEMA... ADOREI...!
ABRAÇOS DE CARINHO,
FERNANDINHA

Maria Inês Teixeira de Queiroz Aguiar Marçalo disse...

Gostei muito; expressas muito bem os teus sentimentos, parabéns!
Um beijinho e um bom feriado!
Maria Inês.

Everson Russo disse...

Renascer, renovar a alma, e todos os sentimentos que nos cercam a vida,,,,um beijo de lindo final de semana pra ti.

Mona Lisa disse...

O amor aparece como um "clic"...

Adorei o poema.
Soberbo!

Bjs.

Daniel Costa disse...

Rosa

Um poema deveras interessante emanado de um espírito, acho eu, descomplicado.
Beijos
Daniel

Fernanda disse...

Passei para conhecer a casa e gostei muito.
a Minha sogra chamava-se Rosa Branca e uma das minhas sobrinhas herdei o seu nome.
Esta foi a primeira razão porque vim conhecê-la.

Li só o primeiro poema que é belíssimo, apaixonado e apaixonante.

Voltarei, já me fiz seguidora.
Bjs e Bfs.

Na casa do Rau

Maria Bettencourt Lemos disse...

Simplesmente Fenomenal!!!
Um grande abraço,
Maria Lemos