terça-feira, 8 de março de 2011

DESFOLHEI MEU CORAÇÃO




Desfolhei meu coração
Das pétalas da amargura
E vesti toda a ilusão
Com flores da tua ternura

Semeei carinhos belos
E laços de linda paixão
Cravos de amor singelos
Como o teu coração

Orquidias com tal doçura
Que quando as fui apanhar
Tinham o mel da ternura
Que eu vi no teu olhar

Rosas azuis de desejos
E até de rubra cor
Que têm a cor dos beijos
Quando me beijas amor

Cravinas semeei aos molhos
Lírios, malmequeres, jasmim
Marotos como os teus olhos
Quando tu olhas p'ra mim

E neste jardim cuidado
Eu coloquei um portão
De doçura engalanado
Que vai dum ao outro lado
Do teu ao meu coração.

24 comentários:

Alvaro Oliveira disse...

Amiga Rosa Branca

Lindo seu poema! Adorei!
Neste dia internacional da mulher, lhe deixo um carinho de amigo,muito especial e desejo que o Sol brilhe em sua alma.

Beijinhos

Alvaro

Sonhadora disse...

Minha querida

Hoje passando para te desejar UM FELIZ DIA DA MULHER.

Deixo um beijinho com carinho
Sonhadora

Andradarte disse...

Desfolhei meu coração
Das pétalas da amargura

A mulher tem de saber o valor que tem na
sociedade...É o seu tempo...Peguem as rédeas....
Beijo

Bonito Poema

MIESFE - 64 disse...

Precioso que bien escribes y que bien lo describes
Un abrazo

Mara disse...

Que lindo!
Adorei1

Desfolhei meu coração
Das pétalas da amargura
E vesti toda a ilusão
Com flores da tua ternura
...

Bjs,
Mara

Folhetim Cultural disse...

Olá gostaria que visita se meu blog que é dedicado a cultura. Espero que goste nele tenho uma coluna poética aos sábados ás 09 da manhã espero poder contar com sua visita.

Sucesso em seu espaço.

Magno Oliveira
Twitter: @oliveirasmagno ou twitter/oliveirasmagno
Telefone: 55 11 61903992
E-mail oliveira_m_silva@hotmail.com

nacasadorau disse...

Quanta doçura nessa forma de ver e sentir o amor.
Gostei muito, amiga Rosa.

Beijinho

Jorge Pimenta disse...

os aromas de que desfrutamos neste teu jardim têm um finíssimo traço: o do coração plural!
beijinho!

A.S. disse...

Adoro a musicalidade dos teus poemas!!! Lindo!...

Beijos,
AL

Lídia Borges disse...

Uma Primavera que renasce e se faz cor, música, poesia.

Um beijo

Maria João disse...

Rosa
Não há corações completamente desnudados do perfume das pétalas e o teu, é um jardim de imensos e doces aromas.

Um beijinho amigo

Nilson Barcelli disse...

Belo poema, de imensa ternura e sensibilidade. Gostei muito das tuas palavras.
Querida amiga, desejo-te um bom resto de Domingo e boa semana.
Beijos.

Mgomes - Santa Cruz disse...

Rosa bela flor, como se escreve um poema cheio de amor e ternura, misturando essa tua ternura com as belas flores, adorei esses doces aromas.
Beijos
Santa Cruz

sonho disse...

Desfolha todas as folhas da amargura para que possam regenerar com petalas de ternura...e se tornar na mais bela flor deste teu jardim:)
Adoro orquidias:)
Beijo d'anjo

tossan® disse...

Desfolhei o seu blog e dei uma voltinha por aqui. Muito poético e repleto dem poesia. Bj

Mona Lisa disse...

Olá

Belo poema envolto em ternura e sensibilidade.

Parabéns!

Bjs.

Letícia Nunes disse...

OI querida!!
Lindo Blog!! Magnífic poesia!!
Beijinhos

Vieira Calado disse...

O tema está bem explorado!

As minhas saudações.

Marinha disse...

Que linda poesia, Rosa!!!
Saudades de ti, amiga!
Bjo e sorrisos pra ti.

José Maria Lobato disse...

Oláááááá!!! Muito interessante e sensual este seu blogue, gostei e voltarei para um olhar mais atento e profundo!!!!
Abraço, Zé Maria

P.S. - Pena o bébézinho tristinho com o "barrete" do Benfica, fica a destoar do resto, não fica??? Mas tudo bem, pelo menos está com cara de tristinho!!! (Brincadeira viu? Sou Sportinguista mas não sou fanático, eheheheh!!)

Maria disse...

Um poema encantador pleno de sensibilidade.
Tenha um fim de semana maravilhoso
beijinhos
Maria

Anderson Fabiano disse...

como são lindos os amores confessados...

meu carinho,
anderson fabiano

joaquimdocarmo disse...

Ternura bem primaveril, amiga, neste poema doce e cheio de sensibilidade!
Beijinho

BRANCAMAR disse...

Lindo o teu poema, pleno de amor e ternura.
Deixo beijo saudoso por alguma ausência mais ou menos forçada.
Branca